Share |

Trabalhadores do calçado merecem mais e melhor

Trabalhadores do calçado merecem mais e melhor

As exportações de calçado aumentaram mais de 55% nos últimos sete anos. Em 2016, as empresas de calçado exportaram mais de 81 milhões de pares de sapatos. Este número de exportações, traduz-se num resultado de cerca 1923 milhões de euros.

O sector cresce essencialmente graças a uma mão-de-obra qualificada, à inovação e a um design moderno. Segundo a própria associação patronal, (APICAPPS), Portugal exporta hoje mais de 95% da sua produção, para 152 países, nos cinco continentes.

As vendas aumentam de forma exponencial, os lucros crescem, mas uma vez mais os salários são indecorosamente baixos.

A grande maioria dos trabalhadores que produzem este aumento recorde das exportações têm salários iguais ou uns euros acima do salário mínimo.

Esta associação patronal adora ser a campeã isolada dos baixos salários. Paga, aos trabalhadores do calçado sem experiência apenas 80% do salário mínimo, o equivalente a 445,6 euros.

É de relembrar também que os acidentes de trabalho, doenças profissionais e assédio moral estão acampados neste sector.

Segundo a narrativa patronal, o aumento de salários colocaria em risco os empregos. Estranho argumento este, quando há empresários que não se coíbem em adquirir carros de alta cilindrada com preços acima dos 200 mil euros e casas no valor de largos milhões de euros. Aí os empregos não ficam em risco.

Os baixos salários não são uma necessidade para manter os postos de trabalho, mas sim uma imposição ideológica de um tecido empresarial que faz da exploração do ser humano o centro da sua acção.

Quem produz são os trabalhadores. Este sector é a demonstração que urge a existência de medidas legislativas para colocar um fim a esta indecorosa exploração. Sim é de uma exploração que se trata e os números falam por si.

O Partido Socialista ao não aceitar alterar a legislação laboral está a ser conivente com esta vil exploração, abraçando-se ao PSD e CDS, na usura dos direitos de quem trabalha.