Share |

Sobre: Iniciativas dos Deputados

Maio 20, 2016

Pelo que nos foi dado conhecimento, os processos disciplinares estão a instalar um clima de medo e de terror junto dos trabalhadores, abrindo caminho à discricionariedade e à prepotência por parte da administração Face à gravidade da situação, o deputado Moisés Ferreira questionou o governo. Ler aqui 

Abril 7, 2016

Sessão Pública ( aberta a tod@s ) | 21.15h | 9 de abril
Tudo o que sempre quiseste saber sobre o Bloco e nunca tiveste coragem de perguntar.
Com o deputado pelo círculo de Aveiro Moisés Ferreira, na  Biblioteca Municipal de Águeda

Abril 3, 2016

O Bloco de Esquerda visitou o hospital de Espinho, e constatou que o Hospital de Espinho tem cerca de 30 camas que até há pouco tempo integravam a Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI), enquanto camas para convalescença. No entanto, esta Unidade foi encerrada no final de 2014, e as camas deixaram de ser protocoladas. Apesar de o Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia e Espinho ter optado por não encerrar esta ala, a verdade é que estas camas estão a ser subutilizadas, sendo verdade também que estas camas se tornam muito necessárias para reforçar a RNCCI. Face a isto o deputado do BE, Moisés Ferreira questionou o Ministério da Saúde. Ler aqui

Março 31, 2016

A situação mais grave é a dos postos daquela força de segurança em Oliveira de Azeméis, Águeda, Anadia e Oliveira do Bairro, onde a degradação é tal que chega inclusivamente a chover no interior dos postos. Por esse motivo, os militares da GNR destacados nestes locais vêem-se forçados a ocupar parte substancial do interior dos seus postos com baldes e bacias de forma a evitar a degradação ou destruição de alguns dos seus objetos e instrumentos de trabalho. Para o BE, a falta de condições nos postos da GNR é inaceitável e atentatória da dignidade profissional dos militares da GNR. Os deputados do BE, Sandra Cunha e Moisés Ferreira, querem respostas imediatas por parte do Ministério da Administração Interna a esta grave situação. Ler aqui as perguntas feitas ao governo.

Março 31, 2016

O parlamento discutiu e aprovou hoje uma proposta do Bloco de Esquerda para que se procedesse à passagem para a gestão pública e integração na rede nacional das 30 camas de cuidados continuados por utilizar no centro de saúde de Vale de Cambra. Este projecto de resolução foi aprovado com os votos do BE, PEV, PCP, PS e CDS. O PSD votou contra. ler aqui a proposta aprovada

Março 3, 2016

Mais dramática ainda é a questão do alcoolismo, onde se regista uma desarticulação enorme entre os Cuidados de Saúde Primários e o SICAD (Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e nas Dependências). Em muitos dos concelhos do distrito de Aveiro não têm consultas de alcoologia; ao mesmo tempo, o SICAD, por falta de recursos, não consegue fazer o acompanhamento necessário das situações de alcoolismo, gerando-se em muitos casos uma ausência de resposta. O deputado Moisés Ferreira questionou o governo. Ler aqui

Fevereiro 23, 2016

o ACES Feira-Arouca gastou no ano passado cerca de 100 mil euros em táxis. Como facilmente se percebe, ficaria muito mais barato a aquisição de duas ou três novas viaturas, para além de que isso representaria uma melhoria das condições de trabalho e uma melhoria dos cuidados de saúde prestados aos utentes. Não se entende que perante esta situação se continue a aplicar critérios cegos e a não autorizar a aquisição dos meios necessários para reforçar os cuidados domiciliários.O deputado Moisés Ferreira já questionou o governo. Ler aqui as perguntas.

Fevereiro 4, 2016

Neste momento, a escola tem graves problemas de infiltração em salas de aulas, sala de professores e salas de direção. Isso porque as placas das coberturas dos blocos se encontram partidas, deixando passar a água da chuva. Para o BE é necessário, por isso, que o Ministério assuma um compromisso concreto para a remoção das placas de fibrocimento, assumindo também um calendário claro para esses trabalhos de remoção e substituição.Face à gravidade da situação, o deputado Moisés Ferreira questionou o Ministério da Educação. Ler aqui as perguntas