Share |

Há novos relatos de fumo e de gases que estão a ser libertados na mesma zona onde ocorreu o incêndio nos resíduos das escombreiras

Castelo de Paiva: Há novos relatos de fumo e de gases que estão a ser libertados na mesma zona onde ocorreu o incêndio nos resíduos das escombreiras

Nas escombreiras das antigas minas do Pejão situadas no lugar da Póvoa, freguesia de Pedorido, concelho de Castelo de Paiva, lavrou, durante um ano e meio, um imenso incêndio subterrâneo que consumiu os resíduos de carvão ali presentes. Foram cerca de 180 mil metros cúbicos de material em combustão, com vários metros de profundidade e a temperaturas que atingiram, e em alguns casos ultrapassaram, os 700 graus centígrados.

Este incêndio teve início em outubro de 2017, quando o concelho foi atingido por uma enorme catástrofe que lhe consumiu 80% do território.

O Bloco de Esquerda já tinha estado neste local em dezembro de 2018 e em março de 2019 para exigir o reforço de meios de combate a este incêndio. Em causa estava a proteção do ambiente e a proteção da saúde pública, em particular das pessoas que vivem na proximidade destas escombreiras. Interviemos junto da Câmara Municipal e junto do Governo no sentido de se iniciar e de se reforçar os meios de combate presentes no terreno.

A EDM – Empresa de Desenvolvimento Mineiro, S.A. esteve no terreno, tendo dado o incêndio por extinto vários meses depois do início dos trabalhos.

No entanto, surgem novos relatos inquietantes e que devem merecer monitorização e intervenção. Há novos relatos de fumo e de gases que estão a ser libertados na mesma zona onde ocorreu o incêndio nos resíduos das escombreiras, o que levanta o receio de algum tipo de reacendimento no subsolo.

O Bloco de Esquerda confirmou estes mesmos factos e, por isso, é seu entendimento que a Empresa de Desenvolvimento Mineiro deve voltar ao local e intervir novamente nesta zona, garantindo e prevenindo qualquer tipo de reacendimento.

Reiteramos o que dissemos na altura: um incêndio como o que ocorreu nas escombreiras (e que lavrou durante ano e meio) tem impactos e prejuízos grandes para o ambiente, para a qualidade de vida das populações e, acima de tudo, para a saúde das pessoas expostas a emissões de fumo, gases e cinzas, pelo que os relatos de novos focos de fumo deve merecer uma intervenção rápida. O deputado Moisés Ferreira já questionou o governo. ler aqui

AnexoTamanho
mati_evitar_reacendimentos_nas_escombreiras_das_minas_do_pejao.pdf450.94 KB