Share |

Empresa de cortiça nega máscaras aos trabalhadores com a regularidade que a DGS aconselha

Empresa de cortiça nega máscaras aos trabalhadores com a regularidade que a DGS aconselha

O Bloco de Esquerda teve conhecimento que a empresa Socori - Sociedade de Cortiças de Rio Meão S.A., situada na freguesia de Rio Meão, concelho de Santa Maria da Feira, informou os seus trabalhadores que estes teriam direito a duas máscaras descartáveis por semana. Esta decisão da empresa viola claramente o prazo de validade de uma máscara descartável, colocando em causa a saúde dos trabalhadores.

No início da pandemia, esta empresa, afixou a indicação que forneceria apenas uma máscara descartável por cada trabalhador a cada quatro semanas. Depois passou a ser uma por semana e agora, em alguns sectores, são 2 por semana. Mas mesmo assim, continua a incumprir com as recomendações da Direção Geral de Saúde (DGS).

Segundo as indicações da DGS, “a máscara deve ser colocada aquando da entrada na instituição, poderá ser mantida durante 4 a 6 horas e nessa altura substituída, e substituir sempre que estiver húmida”.

Relembramos que esta empresa foi adquirida pelo grupo Amorim num passado recente, esperava-se pelo menos se cumprisse escrupulosamente com as normas da DGS.

Esta situação está evidentemente a provocar alarme social junto dos trabalhadores, que obviamente temem pela sua saúde. Esta empresa, apenas impõe estas limitações para setores da produção. Engenheiros, diretores e pessoal do escritório têm máscaras diferentes.

O BE teve também conhecimento que um trabalhador desta empresa encontrou no armazém uma caixa de máscaras que levou para os balneários e começou a usá-las de acordo com as recomendações da DGS. Estranhamente a empresa suspendeu e depois despediu este trabalhador.

Esta empresa não está a cumprir com as regras de saúde pública e, dessa forma, está a colocar deliberadamente em causa a proteção dos trabalhadores. Os administradores devem, como é óbvio, ser responsabilizados pelo incumprimento da lei e por colocarem em risco a saúde dos trabalhadores.

Para o BE, é inadmissível que ainda existam empresas que se recusem a cumprir com as normas da DGS, deixando assim os trabalhadores em risco. Face à gravidade da situação, os deputados do BE questionaram o governo. Ler aqui

AnexoTamanho
mtss_socori_nao_disponibiliza_mascaras_aos_trabalhadores.pdf625.75 KB