Share |

Castelo de Paiva: ordenar a floresta é a única forma de prevenir incêndios

Castelo de Paiva: ordenar a floresta é a única forma de prevenir incêndios

O Bloco de Esquerda voltou a visitar as escombreiras das antigas minas do Pejão situadas no lugar da Póvoa, freguesia de Pedorido, concelho de Castelo de Paiva.

Neste local lavrou, durante um ano e meio, um imenso incêndio subterrâneo que consumiu os resíduos de carvão ali presentes. Foram cerca de 180 mil metros cúbicos de material em combustão, com vários metros de profundidade e a temperaturas que atingiram, e em alguns casos ultrapassaram, os 700 graus centígrados.

Este incêndio teve início em outubro de 2017, quando o concelho foi atingido por uma enorme catástrofe que lhe consumiu 80% do território.

O Bloco de Esquerda já tinha estado neste local em dezembro de 2018 e em março de 2019 para exigir o reforço de meios de combate a este incêndio. Em causa estava a proteção do ambiente e a proteção da saúde pública, em particular das pessoas que vivem na proximidade destas escombreiras.

Foi a intervenção do Bloco de Esquerda no local, em reuniões com a autarquia e em interpelações sucessivas ao Governo, que levou a que este incêndio fosse combatido de forma decidida e fosse finalmente extinto.

Sem a intervenção do Bloco e da população não teriam sido reforçados meios e provavelmente a população estaria ainda exposta a um enorme problema de saúde pública.

Extinto este incêndio que tantas preocupações levantou à população e ao Bloco, é agora tempo de tomar medidas para que tragédias destas não voltem a acontecer. O Bloco de Esquerda não quer que o concelho de Castelo de Paiva sofra o que sofreu em outubro de 2017. Mas para isso é preciso garantir um efetivo ordenamento da floresta.

Infelizmente, quase dois anos depois do grande incêndio de outubro de 2017, o concelho de Castelo de Paiva voltar a estar repleto de plantações de eucalipto. Algumas brotaram a partir da terra ardida, outras são plantações novas. Nada foi feito para ordenar o território, para limpar as zonas ardidas, para limitar as plantações de eucaliptos e para promover a plantação de outras árvores.

Essa inércia, esse nada fazer é o que coloca as populações e os territórios em risco.

O Bloco de Esquerda quer que sejam colocadas em marcha medidas concretas: um ordenamento do território efetivo, a limitação da área de eucalipto e a promoção de árvores autóctones, para prevenir a ocorrência de incêndios e aumentar a segurança das pessoas.

Essas são algumas das propostas que a candidatura do Bloco de Esquerda apresentará às eleições legislativas de próximo dia 6 de outubro.