Share |

Em Esgueira, a única alternativa é o Bloco de Esquerda

Em Esgueira, a única alternativa é o Bloco de Esquerda

 

Dia 1 de Outubro, O Bloco de Esquerda apresenta para a Freguesia de Esgueira uma candidatura forte e preparada para fazer a diferença, com um programa que defende os rendimentos do trabalho e a qualidade de vida na Freguesia.

Em jeito de balanço dos últimos 4 anos, a atual presidente da Junta de Freguesia de Esgueira e candidata pelo PSD/CDS representa o tempo da política Passos e Portas e da sua versão Aveirense, Ribau Esteves. Impostos no máximo e privatizações.

Ângela Almeida, na sua qualidade de deputada municipal, aprovou o plano de austeridade local que vai obrigar os Aveirenses a pagar os impostos municipais mais altos de todo o país para os próximos 20 anos - um verdadeiro saque fiscal a todos os habitantes da Freguesia de Esgueira. Aprovou e apoiou a privatização dos transportes públicos em Aveiro, condenando muitos habitantes de Esgueira a menos carreiras, menos horários, bilhetes e passes sociais mais caros e a mais autocarros sobrelotados.

Além disto, a candidata Ângela Almeida admitiu recentemente [JM1] que a Junta de Freguesia de Esgueira usava e abusava de contratos de emprego-inserção. Relembro que este tipo de contratos não são mais que trabalhos sem salário digno, muitas vezes sem sequer assegurar as condições mínimas de segurança para os trabalhadores e trabalhadoras.

Enfim, o que Ângela Almeida e a sua candidatura têm a oferecer a Esgueira não é nada mais, nada menos que sacrifícios, precariedade laboral e o aperto do cinto de quem trabalha, das famílias e de quem vive na Freguesia.

Pelo seu lado, o PS desistiu de ser esquerda e de ser uma alternativa credível ao apresentar Teixeira Homem como primeiro candidato nas suas listas. Num assunto que exige seriedade como a política, é crucial não termos a memória curta. Nas eleições autárquicas de 2013, Teixeira Homem foi o candidato de Élio Maia a Esgueira, apresentando-se como o homem anti-partidos.

Fez uma campanha baseada na mentira e na auto-vitimização. Mentiu quando disse que a sua campanha não tinha subvenção estatal (o subsídio que o estado garante a campanhas eleitorais) quando, afinal, teve; auto-vitimizou-se quando fez uma campanha a dizer que não tinha apoios, quando é sabido que tinha um dos maiores orçamentos de campanha na altura.

Agora em 2014, o PS avança Teixeira Homem como o seu candidato. O mesmo PS que votou a favor e aprovou do plano de austeridade de Ribau Esteves e que agora tenta, a toda à força, desvincular-se das suas próprias decisões, renegando toda a credibilidade e seriedade em prol do eleitoralismo. 

Em contrapartida, a candidatura do Bloco apresenta-se a eleições com um programa[JM2] que dá uma resposta social capaz: feita de propostas concretas que devolvem o que foi retirado à população de Esgueira.

Esta candidatura vai defender os rendimentos de quem trabalha, ao lutar pelo fim do saque fiscal em impostos municipais e IMI no máximo, levado a cabo pela maioria PSD/CDS em Aveiro. Vai lutar por serviços públicos de qualidade, como direito e não privilégio, nomeadamente o retorno dos transportes públicos à população. Vai proteger os direitos laborais dos trabalhadores e trabalhadoras, denunciando todas os casos de abuso de contratos de emprego-inserção na Junta. Compromete-se em defender uma política social de habitação que valorize e recupere o património com rendas a custos controlados.

Nestes quatro anos passados, o Bloco foi o partido que mais propostas apresentou em sede de Assembleia Municipal, é este empenho e dedicação à melhoria e defesa das condições de vida da população que pretendemos trazer a Esgueira.

Porque a democracia vai para além do ato de votar de quatro em quatro anos - a democracia não faz sentido sem direitos sociais.

A candidatura do Bloco de Esquerda está preparada para fazer a diferença em Esgueira.